PUBLICIDADE

Sexta-Feira, 04 de Junho de 2021

Mariana busca solução para impedir desabastecimento de medicamento para o transplante de medula no Brasil

Mariana pede solução para o impasse com o Bussulfano, que deixará de ser fabricado no Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A Deputada Federal Mariana Carvalho solicitou ao Ministério da Saúde uma solução para o impasse que envolve um medicamento fundamental para o tratamento de pacientes que precisam do transplante de medula óssea. A parlamentar pede que os milhares de pacientes não fiquem na mão e sejam impedidos de transplantar por falta de medicamento.

A solicitação de Mariana foi feita por que o laboratório francês Pierre Fabre anunciou que deixará de fabricar em junho um medicamento à base de Bussulfano, imprescindível para a maioria dos transplantes de medula óssea realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  O laboratório é o único que fabrica o  produto no Brasil.

O transplante de medula óssea é indicado para pacientes de leucemia e outras doenças relacionadas ao sangue.

Mariana, que é médica e atua em defesa das pautas da saúde na Câmara, destaca que se os transplantes deixarem de acontecer, milhares de pessoas serão prejudicadas.

A parlamentar explica que, para que o transplante aconteça, é necessário um pré-condicionamento para “matar” a medula com câncer e preparar o corpo para receber a nova medula. Esse procedimento depende do uso de um medicamento e, no Brasil, o único que tem autorização da Anvisa é o Bussulfano, comercializado como Bulsivex.

Nesse sentido, a Deputada cobra do Ministério da Saúde que as medidas necessárias sejam adotadas antes de junho para que os pacientes não fiquem desamparados.

“A espera por um doador compatível já é, por si só, demorada e sofrida, e, no momento em que esse doador é encontrado, não ter o medicamento que garante o transplante seria uma tragédia. Precisamos agir. Como médica e Deputada Federal entendo que os pacientes precisam de uma solução”, argumenta Mariana Carvalho.

Uma das alternativas à descontinuação do produto seria a liberação para que as entidades hospitalares do Brasil importem produtos à base de Bussulfano até que outra empresa tenha interesse em produzi-lo em território nacional.

A Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) têm mantido dialógo com o Executivo em busca de uma solução. Pacientes e familiares articularam uma petição online contra o desabastecimento. Até esta quarta-feira (6), mais de 175 mil pessoas já haviam assinado.

Fonte: Assessoria Parlamentar

Com muito ❤️ por go7.site
⚙️