PUBLICIDADE

Segunda-Feira, 23 de Novembro de 2020

Funcionários do Banco do Brasil pegaram 9 milhões de gente que já morreu

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Em entrevista coletiva realizada no final da manhã desta sexta-feira (07) o diretor geral da Polícia Civil de Rondônia, Samir Fouad Abboud, passou detalhes da Operação Faces da Liberdade, deflagrada pela 2° Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (2 Draco), nos Estados de Rondônia e Acre, nas cidades de Alta Floresta d’Oeste/RO, Ji-Paraná/RO, Rio Branco/AC e Assis Brasil/AC, e contou com o apoio da Polícia Civil do Acre e das Delegacias Regionais de Rolim de Moura/RO e Ji-Paraná/RO.
Durante a ação da polícia foram presos o gerente do Banco do Brasil no município de Alta Floresta do Oeste (RO), dois ex-gerentes da instituição em Ji-Paraná (RO) e na cidade de Assis Brasil (AC), um funcionário do Banco do Brasil no Acre e dois estelionatários, sendo que outros dois ainda estão foragidos.
Os mandados de prisão temporária contra os suspeitos são devido os crimes de peculato, falsificação de documento público, falsidade ideológica e associação criminosa.
As investigações da Polícia Civil apuraram que o grupo criminoso integrado por funcionários do Banco do Brasil atuava sacando  dinheiro depositado em cifras milionárias de pessoas falecidas, lesando, assim, o espólio e o patrimônio dos herdeiros.
O grupo tinha como principal meio de execução a falsificação de sentenças em processos de inventário e partilha e certidões e escrituras lavradas em cartórios extrajudiciais. Os criminosos, em posse da documentação falsa, procuravam os empregados da agência bancária e faziam o saque das altas quantias.
Os empregados, visando dar cobertura à ação dos falsificadores e mediante o recebimento de propina, deixavam de observar uma série de procedimentos de segurança do Banco do Brasil, aceitando a documentação como idônea.
Segundo a Delegacia Especializada, foi possível identificar, até o presente momento, a subtração de saldo bancário de três contas correntes de pessoas falecidas, cujo valor total do dinheiro subtraído é de R$ 9.502.389,27 (nove milhões, quinhentos e dois mil, trezentos e oitenta e nove reais e vinte e sete centavos).
Entre os lesados está o espólio do conhecido diplomata, político, professor e escritor brasileiro Affonso Arinos de Mello Franco, falecido no dia 15 de março do corrente ano.

Fonte: Rondoniaovivo.com e Polícia Civil RO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️ por go7.site
⚙️