PUBLICIDADE

Sexta-Feira, 04 de Dezembro de 2020

Advocacia passiva, nunca! Reinventada, sempre!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Artigo 

Vamos deixar de lado as formalidades para que sejamos otimistas na medida certa: se há hoje um sentimento que une as gerações jovens àquelas mais experientes da advocacia em Rondônia, este é sem dúvida o da preocupação com o futuro da nossa profissão e os rumos do mercado de trabalho. Ambos se descortinam em incertezas e por isso quero compartilhar com vocês mais do que uma mensagem de celebração para marcar o Dia Nacional da Advocacia, o nosso 11 de Agosto.

Devemos celebrar sempre, mas refletir e agir são fundamentais neste momento para que possamos manter acesas as perspectivas positivas no horizonte. Em poucos períodos da nossa história foi tão importante defender a advocacia quanto agora. Enfrentamos graves problemas estruturais em pelo menos três dimensões importantes: na formação de novos profissionais, que precariza o mercado em relação à qualidade e à quantidade; na atualização tecnológica, para a qual ainda não nos preparamos devidamente; e no exercício da profissão, cujas prerrogativas legais têm sido frequentemente atacadas.

Devemos avançar no aperfeiçoamento dos mecanismos de estímulo a uma formação de maior qualidade da jovem advocacia, para evitarmos os excessos da concorrência predatória, e sobretudo para prepará-la a lidar com os clientes. A gente é treinado para entender o Direito, conhecer os processos e as regras, mas não nos ensinam a cuidar do cliente e suas angústias sobre a Justiça, a compreendê-lo e colocá-lo no centro das nossas atividades.

De algum modo, precisamos nos reinventar permanentemente. Porque inovar não é algo relativo apenas a equipamentos e programas. Tecnologia é instrumento, é meio. O que vai nos manter imprescindíveis não será mais a informação sobre o direito, mas o tempo e o modo como lidamos com os clientes e a solução de suas causas. É o olhar ao redor, ver as injustiças, definir contra quais delas vamos atuar e a serviço de que segmento da comunidade.

Ao mesmo tempo, como diria o poeta, precisamos estar atentos e fortes, porque há agentes públicos – minoritários, é importante que se diga – que percebem o exercício da advocacia como um obstáculo à realização de seus papeis. Daí a multiplicação de casos de abusos policiais contra advogados e advogadas, de membros de poderes que estimulam uma falsa visão das prerrogativas como sendo privilégio de uma categoria e não instrumento fundamental da Justiça e da cidadania.

Em razão disso tudo, cabe a nós reagir com firmeza, promover uma reflexão profunda e apontar novos caminhos que nos permitam a adequada atualização e o fortalecimento da advocacia. Temos discutido esses temas na OABRO, mas espero que possamos ampliar ainda mais os debates por meio de reuniões presenciais ou virtuais, pelas redes sociais e números de whatsapp. Porque uma outra certeza eu tenho: devemos caminhar unidos.

Viva a advocacia!

Fonte: Márcio Nogueira Secretário-geral da OABRO Presidente da Comissão de Defesa de Prerrogativas da Advocacia

Com muito ❤️ por go7.site
⚙️